Arquivo do blog

terça-feira, 30 de junho de 2020

Conheça o feito de Túlio Maravilha que NENHUM outro JOGADOR BRASILEIRO n...





Túlio Humberto Pereira Costa, ou mais conhecido como Túlio Maravilha, foi um dos melhores e mais folclóricos atacantes que o futebol brasileiro teve na década de 90, e ao longo de mais de 30 anos de carreira profissional, vestiu a camisa de inúmeros clubes. 

Foi no Botafogo que o jogador viveu o auge da carreira, ao conduzir o glorioso na conquista do campeonato brasileiro de 1995. Embora bastante falador, e um cara que nunca mediu as palavras para se auto promover, Túlio foi um goleador nato, e conhecia como poucos, o caminho das redes. 

Segundo suas próprias contas, o jogador marcou mil gols, mas todo mundo sabe que esse número é bastante superfaturado, já que se levarmos em conta apenas gols oficiais, esse número cai, consideravelmente.

terça-feira, 23 de junho de 2020

A MELHOR ANÁLISE DA SELEÇÃO DE 1970 QUE VOCÊ VAI VER!


Gerson de oliveira Nunes, o canhotinha de ouro, um ídolo pouco reverenciado pelos torcedores, mas que deveria ter uma estátua em algum estádio do país. Melhor, ele deveria virar nome de estádio em vida.

domingo, 21 de junho de 2020

Copa do Mundo de 1970 - A Seleção que venceu tudo, até o tempo


Nosso objetivo é eternizar os momentos marcantes do seu time do coração. A paixão que é passada de Pai para o Filho, agora está mais viva !
"Somos apaixonados por Futebol e vamos eternizar essa paixão"

terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

Brasil e Colômbia empatam na primeira rodada do quadrangular do Pré-Olímpico

Imagem do evento

Com gol de Cetré, os colombianos saíram na frente no primeiro tempo em Bucaramanga nesta segunda. O Brasil, no entanto, correu atrás e conseguiu igualar o placar em 1 a 1 com gol do camisa nove Matheus Cunha, aos 25 minutos do segundo tempo. 
Na quinta-feira, a Seleção enfrenta o Uruguai em busca de uma vitória para a classificação. 

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

O real motivo que fez o PSG não vender Neymar ao Barcelona #ETICAeEDUCACAO


O Barcelona fez uma proposta de R$ 1,3 bilhão (incluindo dinheiro e jogadores) para contratar Neymar, e mesmo assim ouviu "não". No vídeo, eu explico o verdadeiro motivo que levou o PSG a recusar esse caminhão de dinheiro.

terça-feira, 27 de agosto de 2019

Futebol que é bom nada... Neymar em episódios de 'La Casa de Papel'

Netflix relança episódios de 'La Casa de Papel' com participação especial de NeymarJr, como um monge, e revelação bombástica
Imagem
"Eu pude realizar meu sonho e fazer parte da minha série favorita. E agora eu posso compartilhar o João com todos vocês!
Gracias @lacasadepapel!", disse o jogador em uma rede social.

A participação do jogador na série não havia sido revelada até esta terça-feira, quando a Netflix relançou dois dos oito episódios da última temporada incluindo cenas com o craque. Durante a participação, Neymar encarna um monge e contracena com o Professor e com Berlim nos episódios de número 6 e 8 dessa que é a terceira temporada da produção. 

No sexto, ele aparece aos 3m e 43 segundos, e no último capítulo pode ser visto a partir de 1m 59s. Em ambas as cenas, Neymar contracena com Berlim (Pedro Alonso) e Professor (Álvaro Morte).

sábado, 29 de junho de 2019

Tite ou Neymar? A imprensa brasileira que torce contra ou a favor vai consagrar um deles

Pragmático, Tite já não passa para o torcedor a mesma confiança de quando assumiu a Seleção Brasileira e a imprensa jamais enfatizou os defeitos da tática do treinador e muito menos a qualidade dos adversários. Acima do bem e do mal, como bem disse Ricardo Rocha, ele já esteve nas pautas da imprensa, der repente essa mesma imprensa torce para que o treinador perca a Copa América e deixe o comando do Brasil.
Uma coisa que os críticos não se deram conta ainda é que torcer pela derrota de Tite é ao mesmo tempo a consagração do ausente Neymar. Uma conquista da Copa América pelo Brasil, consolida o trabalho de Tite e diminui sobre maneira a importância de Neymar no selecionado canarinho.

segunda-feira, 24 de junho de 2019

Pequenas mudanças, grandes impactos: goleada convincente dá dias de trégua



Em carta endereçada ao ex-ministro das Relações Exteriores Celso Amorim nesta segunda-feira, 24, antes de a segunda turma do Supremo Tribunal Federal (STF) adiar o julgamento sobre o pedido de suspeição do ex-juiz e atual ministro da Justiça Sérgio Moro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva diz que “muita gente poderosa” quer impedir “ou continuar adiando” a decisão.
Resultado de imagem para lula
“Muita gente poderosa, no Brasil e até de outros países, quer impedir essa decisão, ou continuar adiando, o que dá no mesmo para quem está preso injustamente”, diz Lula. Na carta a Amorim, o ex-presidente rebate o argumento de que a suspeição poderia anular todos os processos da Lava Jato. O risco da anulação foi usado por Moro durante depoimento a senadores na quarta-feira, 19.

“Alguns dizem que ao anular meu processo estarão anulando todas as decisões da Lava Jato, o que é uma grande mentira pois na Justiça cada caso é um caso”, diz Lula.

Antes de adiar o julgamento da suspeição de Moro, o STF já havia retirado da pauta a decisão sobre a prisão após condenação em segunda instância, que também vai ter impacto sobre o caso do petista. Ao questionar os interesses que estariam por trás dos adiamentos, o ex-presidente pergunta “por que tanto medo da verdade”.

“A pergunta que faço todos os dias aqui onde estou é uma só: por que tanto medo da verdade? A resposta não interessa apenas a mim, mas a todos que esperam por Justiça”, diz Lula.

Leia a íntegra da carta:
Querido amigo,

A cada dia fico mais preocupado com o que está acontecendo em nosso Brasil. As notícias que recebo são de desemprego, crise nas escolas e hospitais, a redução e até mesmo no fim dos programas que ajudam o povo, a volta da fome. Sei que estão entregando as riquezas do país aos estrangeiros, destruindo ou privatizando o que nossa gente construiu com tanto sacrifício. Traindo a soberania nacional.

É difícil manter a esperança numa situação como essa, mas o brasileiro não desiste nunca, não é verdade? Não perco a fé no nosso povo, o que me ajuda a não fraquejar na prisão injusta em que estou faz mais de um ano. Você deve se lembrar que no dia 7 de abril de 2018, ao me despedir dos companheiros em São Bernardo, falei que estava cumprindo a decisão do juiz, mas certo de que minha inocência ainda seria reconhecida. E que seria anulada a farsa montada para me prender sem ter cometido crime. Continuo acreditando.

Todos os dias acordo pensando que estou mais perto da libertação, porque o meu caso não tem mistério. É só ler as provas que os advogados reuniram: que o tal tríplex nunca foi meu, nem de fato nem de direito, e que nem na construção nem a reforma entrou dinheiro de contratos com a Petrobrás. São fatos que o próprio Sergio Moro reconheceu quando teve de responder o recurso da defesa.

É só analisar o processo com imparcialidade para ver que o Moro estava decidido a me condenar antes mesmo de receber a denúncia dos procuradores. Ele mandou invadir minha casa e me levar à força pra depor sem nunca ter me intimado. Mandou grampear meus telefonemas, da minha mulher, meus filhos e até dos meus advogados, o que é gravíssimo numa democracia. Dirigia os interrogatórios, como se fosse o meu acusador, e não deixava a defesa fazer perguntas. Era um juiz que tinha lado, o lado da acusação.

A denúncia contra mim era tão falsa e inconsistente que, para me condenar, o Moro mudou as acusações feitas pelos promotores. Me acusaram de ter recebido um imóvel em troca de favor mas, como viram que não era meu, ele me condenou dizendo que foi “atribuído” a mim. Me acusaram de ter feito atos para beneficiar uma empresa. Mas nunca houve ato nenhum e aí ele me condenou por “atos indeterminados”. Isso não existe na lei nem no direito, só na cabeça de quem queria condenar de qualquer jeito.

A parcialidade dele se confirmou até pelo que fez depois de me condenar e prender. Em julho do ano passado, quando um desembargador do TRF-4 mandou me soltar, o Moro interrompeu as férias para acionar outro desembargador, amigo dele, que anulou a decisão. Em setembro, ele fez de tudo para proibir que eu desse uma entrevista. Pensei que fosse pura mesquinharia, mas entendi a razão quando ele divulgou, na véspera da eleição, um depoimento do Palocci que de tão falso nem serviu para o processo. O que o Moro queria era prejudicar nosso candidato e ajudar o dele.

Se alguém ainda tinha dúvida sobre de que lado o juiz sempre esteve e qual era o motivo de me perseguir, a dúvida acabou quando ele aceitou ser ministro da Justiça do Bolsonaro. E toda a verdade ficou clara: fui acusado, julgado e condenado sem provas para não disputar as eleições. Essa era única forma do candidato dele vencer.

A Constituição e a lei determinam que um processo é nulo se o juiz não for imparcial e independente. Se o juiz tem interesse pessoal ou político num caso, se tem amizade ou inimizade com a pessoa a set julgada, ele tem de se declarar suspeito e impedido. É o que fazem os magistrados honestos, de caráter. Mas o Moro, não. Ele sempre recusou se declarar impedido no meu caso, apesar de todas as evidências de que era meu inimigo político.

Meus advogados recorreram ao Supremo Tribunal Federal, para que eu tenha finalmente um processo e um julgamento justos, o que nunca tive nas mãos de Sergio Moro. Muita gente poderosa, no Brasil e até de outros países, quer impedir essa decisão, ou continuar adiando, o que dá no mesmo para quem está preso injustamente.

Alguns dizem que ao anular meu processo estarão anulando todas as decisões da Lava Jato, o que é uma grande mentira pois na Justiça cada caso é um caso. Também tentam confundir, dizendo que meu caso só poderia ser julgado depois de uma investigação sobre as mensagens entre Moro e os procuradores que estão sendo reveladas nos últimos dias. Acontece que nós entramos com a ação em novembro do ano passado, muito antes dos jornalistas do Intercept divulgarem essas notícias. Já apresentamos provas suficientes de que o juiz é suspeito e não foi imparcial.

Tudo que espero, caro amigo, é que a justiça finalmente seja feita. Tudo o que quero é ter direito a um julgamento justo, por um juiz imparcial, para que poder demonstrar com fatos que sou inocente de tudo o que me acusaram. Quero ser julgado dentro do processo legal, com base em provas, e não em convicções. Quero ser julgado pelas leis do meu país, e não pelas manchetes dos jornais.

A pergunta que faço todos os dias aqui onde estou é uma só: por que tanto medo da verdade? A resposta não interessa apenas a mim, mas a todos que esperam por Justiça. Quero me despedir dizendo até breve, meu amigo. Até o dia da verdade libertadora.

Um grande abraço do Lula

Curitiba, 24 de junho de 2019

sexta-feira, 7 de junho de 2019

Caso Neymar: Ele está tranquilo, diz pai de Neymar sobre denúncia


Jorge Lordello, especialista em segurança pública, apresentou novos detalhes do caso Neymar e deu detalhes da entrevista do pai do jogador, que afirmou que a acusadora deixou um celular em pé, na parede, filmando os momentos íntimos com o camisa 10 da Seleção Brasileira. Além disso, o apresentador do 'Operação de Risco' explicou quais serão os próximos passos do inquérito e garantiu que a opinião pública "precisa confiar na Delegacia da Mulher" pois, segundo ele, são as melhores para o casos. 

O pai do craque da Seleção Brasileira falou sobre a acusação de estupro contra seu filho. Segundo ele, o jogador está tranquilo e as polêmicas não devem interferir no seu desempenho na Copa América.

segunda-feira, 3 de junho de 2019

"Eu não posso julgar", diz Tite sobre acusação de estupro a Neymar

Técnico da Seleção e o coordenador técnico Edu, concedem entrevista coletiva ao vivo, direto da Granja Comary.

Técnico deu coletiva de imprensa nesta segunda-feira
Um problema inusitado e que faz aumentar de alguma forma a pressão sobre o técnico Tite na disputa da Copa América, o treinador afirmou que Neymar, "tecnicamente, é imprescindível" para a Seleção e reconheceu a "importância da denúncia" de estupro contra o atacante. No entanto, o treinador afirmou que não vai se permitir julgar o caso. "Quando a gente fala imprescindível, isso não quer dizer insubstituível. É imprescindível pela qualidade no grupo. Mas insubstituível ninguém é, em lugar nenhum, em nenhum posto", completou o treinador em coletiva na Granja Comary.



Tite destacou que "é um assunto pessoal e tem um tempo para que as pessoas possam julgar os fatos". "O que posso passar é que são três anos que tenho de convívio com o Neymar, e os assuntos pessoais que tratamos foram leais e verdadeiros", disse. "Comigo, nas relações particulares, quando converso com o atleta, é muito pessoal. Sempre foi leal dessa forma. É um extraordinário jogador, não vou me permitir julgar", frisou.



O treinador teve que responder a pelo menos 19 perguntas relacionadas ao Neymar, sempre ressaltando que a seleção "está acima de todos nós". "O senso de equipe está acima de nós todos. Tenho uma série de responsabilidades, energia para gastar no que é importante, que é a preparação da equipe. Quero que vocês entendam que meu foco é a preparação para o jogo contra o Catar. Se ficar buscando, fazendo projeções, vai me consumir energia que vai me tirar do meu foco", advertiu.



Aos jornalistas ele negou que este seja o momento mais difícil de sua carreira e ponderou que não se sentiu agredido pela denúncia. "Não me agride porque foi assim durante a minha carreira toda, meu histórico me credencia. Situações disciplinares acontecem, e são sempre tratadas da mesma forma. O Adenor está acima do Tite. O Tite não vai engolir o Adenor. Eventualmente, ele pode ter um rompante de vaidade. Sou orgulhoso, mas não sou burro e tenho tempo de rodagem de saber que os meus valores estão muito bem calcados", ponderou.



Questionado se Neymar merece ocupar a atual posição pelos momentos recentes, que incluem uma agressão a um torcedor, o treinador afirmou que a situação mais recente "está contextualizada em cima de tudo que foi colocado". "De novo, falo para não fazer pré-julgamento. Deixar para as pessoas responsáveis. Estou focado no meu trabalho, numa Seleção que representa o país. Não temos os fatos claros. O tempo pode dar essas respostas todas", afirmou. Ele ainda considerou que o camisa 10 é um extraordinário jogador de futebol, com quem tem uma relação muito transparente e verdadeira.



Braçadeira de capitão



Há uma semana, Tite anunciou que a faixa de capitão na seleção brasileira mudará de braço. A responsabilidade ficará com Daniel Alves. "Quando conversei com Neymar, não disse para quem ia dar a braçadeira. No outro dia pela manhã, liguei para o Dani e disse que também queria conversar pessoalmente sobre a capitania. Já foi capitão. No meu sonho de ganhar a Copa do Mundo era o Dani que levantaria a taça. Ele disse: 'sei da responsabilidade'", afirmou o treinador, que "talvez, tudo é possível", pense em retornar a braçadeira para o atacante.



"Não sei, o que eu posso é definir o agora, senão ficamos falando em termos hipotéticos, e não é legal. Trabalhando com a condicional é difícil. Só gostaria de uma coisa: que vocês tivessem sensatez nas respostas, um livro é escrito num contexto todo. Nunca pedi arrego de crítica, mas a batalha que quero enquanto profissional é dar a informação correta. O resto é do jogo, faz parte, errar ou acertar", considerou.



Críticas a Neymar em 2012



Em uma partida do Campeonato Brasileiro de 2012, Tite, na época treinador do Corinthians, mostrou muita irritação durante a entrevista coletiva, após a derrota do seu time por 3 a 2 para o Santos, e criticou Neymar. O técnico voltou a comentar a polêmica e disse que "tinha enfrentado o Neymar sete vezes como adversário, não tinha tido convívio nenhum". "Hoje fico tranquilo de dizer que tenho três anos de convívio com ele. Há diferença entre 2019 e 2012, sete anos. Não vou ter sempre a mesma opinião. Não quero ser o cara que tem uma opinião há sete anos, não olhar o contexto e não mudar. Me permito mudar", enfatizou.



Edu Gaspar buscou assessoria para a CBF





O coordenador técnico da Seleção Brasileira de Futebol, Edu Gaspar, informou que não viu o vídeo no qual Neymar nega a acusação e expõe fotos íntimas da denunciante, mas comentou que, a partir do momento em que tomou conhecimento, pela importância do assunto, buscou assessoria jurídica para a instituição e para ele. "A ideia central, por eu não entender os processos que devo cumprir, é deixar a assessoria jurídica ao atleta, para a CBF, e centralizar as informações. A ideia seria a assessoria estar aqui para resolver o caso da melhor e mais breve forma possível para que o atleta esteja com a cabeça tranquila para a Copa América", explicou.

Seguidores